Portal da Cidade Lucas do Rio Verde

BR 163

Movimento pela duplicação prepara ato para pedir rescisão de concessionária

Reunião preparatória acontece nesta quinta-feira no auditório do Sindicato Rural

Postado em 27/02/2020 às 07:19 |

Faixas pedindo a rescisão da concessão foram confeccionadas (Foto: Arquivo Pessoal)

Acontece hoje à noite, a partir de 19 horas, no auditório do Sindicato Rural de Lucas do Rio Verde, reunião do movimento que defende a duplicação imediata da BR 163 proposta com a concessão da rodovia para a iniciativa privada em 2014. O projeto contemplou pouco mais de 115 dos cerca de 850 quilômetros do trecho sob responsabilidade da concessionária Rota do Oeste. 

Além da duplicação da rodovia, o movimento popular tem outras reivindicações, como a rescisão imediata da concessão, realização de nova licitação, além de estudo de medidas paliativas para manutenção da rodovia no período da nova licitação.

A mobilização vem ganhando força nas redes sociais, principalmente em razão dos acidentes que são registrados na rodovia federal. Boa parte ocorre em razão da falta de acostamento, um dos grandes problemas citados por motoristas que trafegam diariamente.

O movimento foi iniciado em 2018 quando os integrantes fecharam o pedágio da concessionária localizado em Lucas do Rio Verde. O ato chamou a atenção, porém nenhuma providência foi adotada para garantir os investimentos para a duplicação da BR 163.

Em nota encaminhada a imprensa, a empresa diz que segue buscando meios legais perante o Governo Federal para reequilibrar econômica e financeiramente o contrato mediante apresentação de um plano de cura e com troca de controle acionário, numa tendência de não abrir mão da concessão.

O deputado federal Neri Geller, que é membro da Comissão de Logística da Câmara dos Deputados, disse que a concessionária teria cerca de 40 dias para apresentar uma proposta de rescisão do contrato. Se isso não ocorrer, o governo deve entrar com caducidade, que significa tirar a Rota do Oeste na Justiça, rescindir o contrato e convocar uma nova licitação, medidas que estão entre as reivindicações do movimento.

Fonte:

Deixe seu comentário