Portal da Cidade Lucas do Rio Verde

CUIDADOS

Fisioterapia pélvica: benefícios na gravidez, incontinências e vida sexual

A fisioterapeuta Camila Bauer explica que a prática trata e previne, disfunções pélvicas, anorretais, urinárias e sexual

Postado em 16/04/2020 às 08:00 |

Camila Bauer é pós-graduanda em Fisioterapia Pélvica (Foto: Portal da Cidade/Richard Montecinos)

A fisioterapia abrange muitas áreas do corpo humano e extensões musculares muitas vezes desconhecidas e a região pélvica ou íntima é uma delas. Para aqueles que realizam a fisioterapia pélvica conseguem tratar e prevenir distúrbios cinético-funcionais, disfunções pélvicas, anorretais, urinárias e sexuais que podem ser praticadas por homens, mulheres e até crianças. 

Entretanto os benefícios para as mulheres são ainda maiores, pois conforme a fisioterapeuta Camila Bauer, cerca de 50% das mulheres terão incontinência em alguma fase da vida e cerca de 40% das gestantes apresentam um ou mais episódios de incontinência durante a gestação ou logo após o parto.

“Essa prática trata principalmente a prevenção da incontinência urinária e fecal. Pois essa incontinência acaba prejudicando a vida da mulher, pois ela urina ou defeca de forma involuntária e esse tratamento nada mais é do que o fortalecimento muscular da região pélvica evitando assim vários problemas como a chamada ‘bexiga caída’”, explica a profissional que atual em Lucas do Rio Verde.

Musculatura íntima

Ainda dentro do tratamento, a mulher consegue fortalecer a musculatura do assoalho pélvico que é formado por diferentes planos musculares. O mais superficial é responsável pela função sexual, enquanto o mais profundo é responsável pela continência urinária e fecal e o suporte dos órgãos pélvicos.

Conforme a fisioterapeuta, muitas mulheres podem sofrer dor ou desconforto durante as relações sexuais e achar normal, porém há muitos fatores que podem contribuir para essa dor, entre elas a fraqueza dos músculos da região, lesões cutâneas, diminuição do fluxo sanguíneo, problemas das articulações, entre outras.


“Mesmo com a evolução que vivemos, ainda temos muitas mulheres que sentem vergonha de expor a vida sexual, não sabem explicar o que sentem durante a relação e muito menos sabem o que gostariam no ato sexual. Isso se dá principalmente porque elas foram criadas cheias de regras e tabus e a fisioterapia pélvica proporciona o autoconhecimento, a identificação do corpo, do prazer, daquilo que é desconforto e causadores de dores”, explica Camila.

Pré-parto e pós-parto

Na gestação a mulher passa por grandes mudanças corporais e psicológicas e apesar de natural, esse estado exige cuidado. Camila explica que hoje já é comprovado que os exercícios para a musculatura do assoalho pélvico durante e após a gravidez são indispensáveis. Quando ele está fraco, os ligamentos são lesionados e falham em sua função de sustentação.

“Quando há o fortalecimento da musculatura ele contribui muito o parto natural e até mesmo para o pós-parto, pois após carregar nove meses o bebê a região fica enfraquecida, com a prática a mulher evita que haja incontinência ou dores pós-parto”, informa a fisioterapeuta.

Camila dos Santos Bauer

Pós-Graduanda em Fisioterapia Pélvica

Atendimentos clínicos na Clínica Mix da Saúde Lucas do Rio Verde - MT

Avenida Mato Grosso, 36-E

Bairro Rio Verde

Telefones: (65) 3549-2625 / (65) 9 9604-3502

Facebook | Instagram

Fonte:

Receba as notícias de Lucas do Rio Verde no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário