Portal da Cidade Lucas do Rio Verde

AINDA NÃO

Câmara de Lucas do Rio Verde adia decisão sobre verba indenizatória do Executivo

Pedido de vistas ao Projeto de Lei 65/19 foi feito pelo vereador Jaime Floriano e aprovado pela maioria do Plenário

Postado em 13/08/2019 às 11:06 |

Plenário da Câmara de Lucas do Rio Verde suspendeu a votação sobre proposta de verba indenizatória ao Executivo e tema volta ao debate em duas sessões (Foto: José Boas - Portal da Cidade)

A Câmara de Vereadores de Lucas do Rio Verde se reuniu na noite de ontem (segunda-feira, 12) para debater o Projeto de Lei do Executivo 65/19 que institui o pagamento de verba indenizatória ao primeiro escalão do governo municipal e estabelece seus respectivos valores. O tema tem sido objeto de controvérsia entre os parlamentares luverdenses e divide a opinião da população, principalmente no que diz respeito aos valores e à forma com que o pagamento do novo benefício é proposto.

GOVERNO ESVAZIADO - Da tribuna, durante o Grande Expediente, o vereador Jaime Floriano (PDT) fez um comparativo entre a atual gestão municipal e as anteriores. Em sua opinião, “talvez um dos grandes diferenciais entre esta gestão e as anteriores é que, antes, havia um grande conjunto de pessoas que se propunham a ajudar o município e que ocupavam os cargos do Executivo e não se preocupavam com o que iriam ganhar. No entanto, o grupo que apoia o prefeito é reduzido, ele precisa contratar pessoas de fora para ajudar (...) e mão de obra qualificada é cara, seja em qual área for! Cabe a nós, vereadores, pensarmos se queremos que a administração do município funcione ou vamos esperar pelo pior”.

MODIFICAÇÕES - Antes mesmo que a discussão, antes da votação da matéria, fosse aberta, Floriano pediu vistas ao Projeto de Lei, argumentando que a redação final do texto pode e precisa ser mudada. Ao final da sessão, o parlamentar comentou com a reportagem do Portal da Cidade: “é necessário mudar alguns pontos nesta proposta. Não vejo a mínima necessidade do prefeito e do vice receberem este benefício, mas concordo com o fato de que os secretários municiais precisam desse aporte para custear suas viagens a trabalho. Não podemos ser irresponsáveis e medir as coisas de maneira imponderada e sem levarmos em conta todos os fatores envolvidos”.

VOTO DE MINERVA - O pedido de vistas foi posto em votação e, com o voto de Minerva do presidente da Casa, vereador Dirceu Cosma (PV), o Legislativo suspendeu a matéria da Ordem do Dia pelo período de duas sessões ordinárias.

Sobre seu posicionamento, Cosma explicou: “precisamos pensar melhor. Meu posicionamento é parecido com o do vereador Jaime, não sou totalmente contra a proposta, mas questiono alguns pontos que não deixam o tema claro para a população, principalmente depois que foi publicada uma nota afirmando que o prefeito abriria mão de sua verba indenizatória e doaria os recursos a entidades de amparo social (...) ora, se é para fazer caridade, que se faça com dinheiro próprio, jamais com recursos públicos”.


Fonte:

Deixe seu comentário